sexta-feira, 30 de julho de 2010

FÉRIAS

Isaurinha

A mascote da BE-A

Esta é a Isaurinha a mascote da BE-A
- Querem saber o que vamos fazer com ela?
- Para o próximo ano lectivo revelamos a surpresa,falta pouco...Setembro não tarda aí....



5as de Leitura da Biblioteca da Figueira


Divulgação

Em ano de Centenário, a Biblioteca Municipal Pedro Fernandes Tomás inclui na sua programação o projecto 5as de Leitura da Biblioteca da Figueira, resultado de colaboração estabelecida entre a Câmara Municipal da Figueira da Foz e a Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do Programa Gulbenkian de Língua Portuguesa, e que teve início no mês de Outubro de 2009.

Visando o incentivo à leitura através da realização de encontros do público com escritores de língua portuguesa, bem como a divulgação das respectivas obras literárias junto de instituições diversas, as 5as de Leitura têm continuidade no próximo dia 19 de Agosto, pelas 21h 30, na Biblioteca Municipal. Para esta sessão convidámos Mário Zambujal, jornalista e escritor, para conversar com os figueirenses sobre a sua obra, com destaque para o seu último livro “Uma Noite Não São Dias".

Divulgação

Leituras de Verão

Programa de actividades dinamizado pela Biblioteca Municipal da Figueira da Foz


quarta-feira, 28 de julho de 2010

Clube de leitura


Clube de leitura

Em articulação com o Departamento de Línguas vai começar uma nova actividade promotora da leitura, no espaço da BE-A. Trata-se do Clube de leitura direccionado a toda a comunidade educativa, alunos, pessoal docente e não-docente e encarregados de educação. Conscientes que a criação de hábitos regulares de leitura promove o sucesso escolar e reforça uma cidadania activa e interveniente.
Esperamos desde já o envolvimento de todos.

Imagem retirada do cartaz da Semana da leitura-2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

No Reino das Maravilhas


Destaque

Os pesadelos perturbam o sono das crianças. Mas o desassossego nocturno de David desaparece, a partir do momento em que escuta uma história narrada pela mãe. Aquela é, toda ela, conduzida pelas mãos mágicas das Fadas que tudo fazem para restabelecer a harmonia "No Reino das Maravilhas".
Este é um conto onde o onírico e o fantástico se cruzam, oferecendo uma leitura envolvente e rica em ensinamentos.


Maria Luisete


Notas biográficas



Maria Luisete do Souto Cardoso Baptista nasceu em 1947, em Santa Leocádia, Concelho de Tabuaço, Distrito de Viseu. Viveu em Angola e no Brasil, até 1976. Bacharel em Filologia Românica pela Universidade de Luanda e Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante Português e Francês, pela Universidade de Coimbra. Iniciou a sua actividade profissional como docente, em Luanda, circunstância que acabaria por se reflectir na sua obra literária. Apesar de já não exercer a docência continua ligada à escola e aos alunos, através de constantes encontros para que é convidada, integrados em actividades promotoras da leitura. A sua experiência como docente permite-lhe, através da mestria das palavras cativar e envolver no seu discurso qualquer plateia escolar e contagia-los com o prazer da leitura e da escrita. da sua obra literária destacamos. Mulemba, O rapaz das barrocas, No Reino das Maravilhas.
A pintura é outra das suas paixões, daí que ela própria ilustre algumas das suas obras. Reside actualmente na Figueira da Foz e tem uma ligação afectiva muito especial à escola Joaquim de carvalho, última escola onde exerceu a sua actividade docente.

Feira do Livro

Feira do Livro

A escritora Maria Luisete presente na nossa escola

video

sábado, 24 de julho de 2010

5º Convívio do Agrupamento de Escolas de Alhadas

O 5º Convívio do Agrupamento de Escolas de Alhadas

O 5º Convívio do Agrupamento de Escolas de Alhadas merece destaque, o envolvimento de toda a comunidade contribuiu para o sucesso da iniciativa, que teve ainda o apoio da Associação de Pais e da Câmara Municipal da Figueira da Foz.

Gastronomia regional


Bolos das Alhadas

Bolos, broas e rosquilhas são exemplares da doçaria tradicional das Alhadas, ainda feitos de forma artesanal e com carácter doméstico.
A BE-A faz questão de divulgar esta vertente patrimonial oferecendo alguns exemplares a individualidades ( escritores, contadores de histórias, ilustradores e outros) que a seu convite visitem a nossa escola, ou como atribuição de prémios para actividades dinamizadas pela biblioteca.

O leitor sugere



Sugestões de leitura

há algum tempo li um livro que gostaria de partilhar convosco. Chama-se O Clube da Hipotenusa, do escritor Claudi Alsina. Trata-se de um livro que, em simultâneo, ensina e diverte, trata da história do mundo numa perspectiva matemática. Recorre a anedotas e aborda situações de modo cómico e ridículo. Para contar a história do mundo o autor recua no tempo, pára na Antiguidade Clássica, ao tempo dos gregos, Aristóteles , Platão, e dos romanos e só termina no séc. XXI, na era da informática.

Eu achei este livro fantástico e sugiro a sua leitura.

Carolina Campos –8ºB


sexta-feira, 23 de julho de 2010

A obra do pintor Mário Augusto

Algumas obras do pintor Mário Augusto


Topónimos do Agrupamento de Alhadas



Topónimos do Agrupamento de Alhadas
( Continuação)

Brenha: Ao meditar sobre o possível significado desta palavra deparamo-nos com outra palavra, esta bem mais familiar, que nos pode ajudar na tarefa de desvendarmos a origem deste topónimo: Embrenhar. Ora, indo a um dicionário, verificamos que brenha quer dizer matagal espesso e tem origem na palavra celta brigna, derivado de briga, que significa «monte ou outeiro». Assim, pode-se concluir que este topónimo vem ou da posição geográfica da povoação ou da abundância de mato na zona. Pode ter sido atribuído numa época em que os romanos ainda não tinham chegado à Península Ibérica.

Quiaios: Este povoado não deve o seu nome ao nosso primeiro rei conforme reza a lenda em que, chegando ao local e deparando-se com alguns mouros, ele gritou para os seus companheiros de armas: “Corramos com os mouros, aqui há-os!”. Segundo Carlos Leite Ribeiro, o topónimo Quiaios é de origem semita, podendo ser, tanto fenício, como cartaginês, e a sua evolução através dos séculos, não o tem desviado muito sensivelmente da sua forma primitiva, que supomos ter sido: Qiqayon - Qiayon - Qiaionus - Qiaius - Quiaios. Ora a palavra semita Qiqayon denomina uma de duas plantas que deveriam abundar na área na altura em que lhe deram o nome: rícino ou aboboreira. Pessoalmente, inclino-me para a primeira hipótese. De qualquer modo, o nome remonta aos séculos IV ou III AC.

Prof. Ricardo Ferrão

O latoeiro


O Latoeiro
1932
(Óleo sobre tela (62 x 46 cm)

Um dos mais conhecidos quadros do pintor Mário Augusto

Pintor Mário Augusto


O Patrono da nossa escola

Representado nos grandes museus nacionais, Mário Augusto possui um incontestável valor na pintura portuguesa. Nascido nas Alhadas (23.07.1895), cursou Belas Artes em Lisboa e no Porto, onde concluiu o curso geral. Foi bolseiro e esteve em vários países, como a França, a Inglaterra, a Bélgica e Espanha. Foi mestre de pintura na escola António Arroio e na Sociedade Nacional de Belas Artes. Não deixou de pintar as paisagens, lugares e personagens da sua terra e arredores, estando muito divulgado através do seu quadro em que retrata “O Latoeiro”. Faleceu em Coimbra, em Agosto de 1941.

O logótipo da nossa biblioteca

Izaura

A nossa imagem de marca foi concebida a partir de uma das pintura do patrono da escola, o pintor Mário Augusto (1895-1941).
Izaura, assim se chama o quadro, foi feito em 1935 e a escolha desta obra tem uma explicação de carácter afectivo: D. Izaura, actualmente falecida, com mais de 80 anos, foi a nossa entrevistada numa sessão que culminou um trabalho de pesquisa sobre o pintor Mário Augusto. Segunda a própria nos contou, foi escolhida para ser retratada, por ser a moça mais bonita das Alhadas. Na altura em que foi pintada tinha 14 anos.

Logótipo da BE-A



Izaura (1935)


D. Izaura na altura da entrevista





Curiosidades :
A modelo foi retratada durante as férias de Verão do pintor, nas Alhadas. Foi ele quem escolheu as roupas da Izaura e a sombra de um castanheiro para executar a sua obra.
Na realidade o lenço amarelo que a modelo usa tinha pintinhas cor-de-rosa.
Izaura foi agraciada pela sua disponibilidade com tecido para fazer uma blusa.
Izaura não se considerava a rapariga mais bonita das Alhadas, achava-se demasiado "beiçuda"


José Craveiro– Contador de Histórias esteve na nossa escola


José Craveiro

Mestre a contar, mestre a curar. José Craveiro é uma enciclopédia da tradição oral. Um homem em constante interacção com o que o rodeia, que sabe utilizar o seu imenso conhecimento com inteligência e humanidade .

Cresceu a ouvir “estórias” contadas pelos mais velhos e que foi retendo na sua memória.

Hoje, partilha o seu saber com todos aqueles que o querem escutar.

José Craveiro esteve na nossa escola , a convite da BE-A, e fascinou um público diversificado integrando alunos, do 1º ao 3ºciclo, e professores.

.


Diário de Beatriz


O Diário de Beatriz

Primeira publicação de Maria Dinis Mineiro. Conheça a autora e a sua obra.

Maria Dinis Mineiro

Jovem escritora

Maria Dinis Mineiro nasceu na cidade da Covilhã, na freguesia de Stª Maria, a 16 de Abril de 1992. Desde sempre residiu na Vila de Tortosendo. As suas áreas de interesse são bastante diversificadas, desde o desporto, a música, a dança, o teatro, integrando vários grupos escolares e de jovens. No âmbito da participação em grupos e bandas musicais participou na gravação de dois CDS e vários espectáculos. Neste momento frequenta o 12º ano, do curso de Ciências e Tecnologias, na Escola Secundária / 3 Quinta das Palmeiras, Covilhã.

A Jovem e simpática escritora esteve na nossa escola e falou da sua primeira publicação O Diário de Beatriz

No livro, a autora fala dos sentimentos que Beatriz tem devido à sua melhor amiga ser a rapariga mais gira da escola. Sentimentos esses que mudam quando Beatriz conhece Rodrigo, que a faz ver tudo de forma diferente.